Publicidade

A Secretaria de Transportes e Trânsito (Settra) da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), no acompanhamento das manifestações dos profissionais do transporte coletivo urbano (TCU), tomou todas as medidas jurídicas cabíveis para amenizar o impacto do movimento à população. O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários (Sinttro) protocolou ofício na tarde do dia 14, confirmando proposta de realização de greve a partir do dia 18. Neste documento consta que a paralisação respeitaria direitos e garantias fundamentais da coletividade, com o percentual mínimo de 30% dos trabalhadores em atividade, para atender a todos os serviços essenciais. Ao perceber que a greve não estava respeitando este mínimo de atendimento previsto, a Settra encaminhou ofício à Procuradoria Geral do Município (PGM), informando sobre a paralisação total dos rodoviários e solicitando providências jurídicas viáveis a serem tomadas.

A PGM, por sua vez, encaminhou ofício ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT), solicitando pronunciamento jurisdicional sobre o movimento grevista convocado pelo Sinttro, tendo em vista falta de acordo entre a categoria patronal e seus empregados. O TRT já havia determinado, em paralisação anterior do TCU, em 21 de julho, que o Sinttro garantisse a presença ao trabalho dos profissionais necessários ao funcionamento, de, no mínimo, 60% da frota de transporte coletivo.

A Settra ressaltou que não se está discutindo o direito de greve dos empregados. O que está sendo contestado é o descumprimento da norma legal, que garante o exercício de tal direito, mas impõe a ressalva da prestação mínima do serviço, no caso dos serviços essenciais.

Liberação das vans

Publicidade

Para amenizar o impacto causado pela greve no TCU, a Settra autorizou, na manhã de terça-feira, 18, a utilização de vans escolares no atendimento, em caráter excepcional, dos passageiros que precisam se deslocar, garantindo a continuidade do serviço público essencial do transporte coletivo urbano.

Assim, o transporte escolar está autorizado a conduzir passageiros pelo valor da tarifa de ônibus, R$ 3,75. As vans precisam estar em dia com as vistorias feitas semestralmente pela Settra e devidamente registrada. Todos os veículos devem circular com adesivos de autorização, podendo utilizar as faixas exclusivas para o TCU, e usando, obrigatoriamente, os pontos destinados ao embarque e desembarque de passageiros, não sendo permitida a parada fora destas áreas. Fica proibida a prestação deste serviço de transporte complementar emergencial por veículos que não se enquadram nos requisitos.

A Settra ressaltou que a medida é emergencial e visa amenizar o impacto causado pela paralisação dos ônibus. O local onde cada van atenderá é de livre escolha do proprietário.

Motoristas e passageiros devem, obrigatoriamente, usar máscaras de proteção contra a covid-19 dentro das vans, e sua utilização deve ser exigida pelos condutores. Eles devem também disponibilizar álcool em gel dentro dos veículos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui