Publicidade

Barbacena Online

Por Delton Mendes Francelino, coordenador do Centro de Estudos em Ecologia Urbana do IF Barbacena e diretor do Instituto Curupira. Artigo co-assinado por: Gabriela Liguori, Médica veterinária e Rafaela Cobucci Cerqueira (Bióloga, doutoranda em Ecologia Aplicada)

Na última semana temos recebido vários vídeos, ou mensagens, de pessoas de Barbacena, e mesmo cidades como Barroso e Carandaí, relatando o avistamento de animais silvestres, ou seja, animais que não são domesticados e que vivem na “natureza”, geralmente no que resta de mata preservada na região (ou fragmentos de mata preservados).

Em alguns dos vídeos, especificamente muito divulgados em Barbacena, é possível ver uma Onça Parda; em outros, ciclistas atestam tê-la visto e até mesmo, em alguns casos, há relatos de pessoas dizendo que caçariam a onça, pois ela traz danos a fazendas e sítios, sobretudo por predar bois e outros animais. Diversos estudos já mostraram que muitos supostos ataques de onças a rebanhos não são de onças de fato, mas de outros animais, como cães domésticos. No caso de Carandaí, foi relatado o avistamento de Lobo Guará, com cidadãos, numa rua, encurralando-o, com possível risco à sua segurança e à vida do animal.

Publicidade

É importante que as pessoas entendam que quaisquer atitudes nocivas a esses seres vivos é crime ambiental. Além disso, trata-se de questão antropoética: nós, humanos, reduzimos os habitats, as regiões de natureza nas quais esses seres viviam (e ainda vivem), onde suas espécies evoluíram por milhares de anos, como o nosso caso, a Mata Atlântica (com resquícios de Cerrado). Hoje, no século XXI, pelo mundo todo, os animais silvestres estão cada vez mais com menos territórios para sobreviverem, reproduzir-se e se alimentarem. Todo animal tem um papel importante na natureza, e sua presença está relacionada ao bom funcionamento dos ecossistemas que provêem benefícios aos seres humanos, como por exemplo boa qualidade da água.

Em nossa região ocorre o mesmo. Temos muitos fragmentos de mata, muitas vezes desconectados por propriedades rurais, ou mesmo pela malha urbana; isso sem mencionar as estradas, que inclusive matam milhões (cerca de 2 mi de mamíferos e 8 mi de aves no Brasil) de animais todos os anos. No caso da Onça Parda, ataques a pessoas são extremamente incomuns; é preciso realmente ter atenção, cuidado, sobretudo em regiões rurais, mas não é correto caçar o bicho, ou expô-lo, demonizá-lo, como tem sido notado recentemente. Já o Lobo Guará, é um animal muito mais inofensivo; não há relatos de ataque a pessoas. Importante também frisar que estamos numa época de estiagem, com aumento de queimadas, o que faz com que esses seres “migrem” entre regiões (fragmentos de mata) à procura de alimento e proteção.

Em Barbacena temos visto também vários outros animais silvestres, como aves (Tucanos, Maritacas, “Jacus”, dentre outros), além de Quatis, Jaguatiricas, Esquilos, entretanto, mais uma vez: capturar, maltratar ou matar esses animais é crime. Se você verificar qualquer atitude de pessoas nesse sentido, ligue para a Policia Ambiental (3339 5050). Se ver animais em situação de risco na cidade, acione os Bombeiros. E para você, que vive em regiões rurais, fique atento e mantenha, sempre que possível, seus animais abrigados especialmente no fim da tarde, começo da manhã e a noite, caso haja casos de avistamento da Onça,  sobretudo nessa época de estiagem, conforme já discutido.

Lembrem-se que a natureza é uma teia de relações, interconectadas: se nós, humanos, não mudarmos nossas ações no planeta, nos ecossistemas, compreendendo que os seres vivos além de nós também têm direito de existência, dificilmente teremos um futuro sustentável e equilibrado como espécie, como membros ecológicos da Terra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui