Publicidade

Segundo o superintendente da Federação das Indústrias da Bahia (FIEB), Vladson Menezes, esse é um exemplo prático de como as empresas driblam a crise e preservam empregos. 
 
“Estamos trabalhando para estimular os setores que têm condição de fazer a reconversão produtiva, no sentido de adaptar a produção para o combate à pandemia. Temos sido bem-sucedidos”, aponta.


 
Na indústria de vestuário ocorreu algo semelhante. Com o fechamento dos comércios, as lojas deixaram de lado a confecção de roupas e viram na fabricação de máscaras uma oportunidade de produção e de geração de renda. Empresas antes consideradas rivais no mercado se uniram nesse momento contra a covid-19. “Isso tudo mostra que o empresário pode se adequar e continuar colaborando no combate à doença”, elogia Menezes.
 
Nos dois maiores polos do setor, as maiores empresas de Salvador e de Feira de Santana passaram, juntas, a confeccionar máscaras. O resultado da parceria foi mais de quatro mil empregos preservados e o apoio irrestrito a quem está na linha de frente em unidades de saúde. “Essa união é importante porque permite que elas negociem com fornecedores conjuntamente, conseguindo preços menores e, com isso, atendam melhor a população”, explica o superintendente da FIEB.
 
Vladson Menezes ainda vê com cautela a retomada do crescimento econômico, mas admite que o problema não é exclusivo do estado. “A economia parou por cerca de dois meses, então pode ser que ainda demore um pouco para a retomada de atividades em vários setores. O processo não será fácil, mas há um trabalho a ser feito. E, para isso, é preciso articular medidas de apoio à indústria, no sentido tributário, de fortalecimento das cadeias produtivas para evitar dependência externa”, sugere.
 
Em um gesto de solidariedade para minimizar os impactos da pandemia, as indústrias baianas também têm ajudado quem mais precisa nesse momento. Empresas do setor de mineração e de vestuário doam equipamentos de proteção individual, respiradores hospitalares, álcool em gel, termômetros e cestas básicas a hospitais e a pessoas em situação de vulnerabilidade social.
 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui