Publicidade

O prefeito Antônio Almas participou na manhã desta segunda-feira, 22, de transmissão ao vivo nas redes sociais da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF), para abordar temas relacionados ao enfrentamento à covid-19 no Município. Durante a live, o chefe do Executivo destacou o aumento no número de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) na rede pública e capacidade de testagem, necessidade de conscientização por parte das pessoas em relação ao isolamento social e a possibilidade de mudança de “onda”.

A respeito do número de leitos, antes da pandemia Juiz de Fora contava com 108 em UTIs públicas. Hoje são 161. Almas destacou que, além do espaço de internação, para viabilizar o serviço são necessários contratação de equipe multiprofissional, aparelhos específicos, materiais e insumos diversos, o que demanda aporte financeiro: “Apesar do número de leitos ter aumentado, a Prefeitura continua trabalhando, para abrir mais vagas em outras unidades hospitalares, inclusive privadas”.

Almas explicou, de forma objetiva, a importância do isolamento social. De acordo com ele, a cidade já poderia ter atingido o colapso de seu sistema de saúde, caso as medidas não tivessem sido adotadas de forma preventiva em março. Entretanto, o prefeito destacou que “houve retorno da população às ruas e movimentação do setor de comércio, para o retorno de atividades”. Sobre isso, ele explicou que, “mais do que nunca, estou trabalhando para fazer um pacto com os juiz-foranos e cidades da região, para inverter este quadro. Ao invés de sair, o necessário é retornar às casas. Só sair se estiver trabalhando em alguma atividade essencial ou para buscar itens necessários para sobrevivência”.

Durante a transmissão, o prefeito foi taxativo em relação à possibilidade de mudança de “onda”, que permite flexibilização das atividades econômicas: “Não está na hora de ir para as ruas. Não quero que o setor produtivo veja na PJF um inimigo para suas ações. Pelo contrário, o que mais desejamos é a recuperação do setor econômico. Porque, como cidade voltada, em sua maioria, às atividades do setor comercial e de serviços, precisamos de arrecadação de impostos para sobrevivência. Mas não podemos fazer isso a custo de vidas”.

Publicidade

A respeito da realização de testes, Almas destacou a parceria com a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que desde o final de abril trabalha junto à PJF. Durante 15 dias, a testagem terá também como público elegível pessoas com idade igual ou superior a 20 anos, que apresentem ao menos dois sintomas da covid-19. A medida tem por objetivo verificar o comportamento no processo de contaminação: “Percebemos que há mais casos confirmados no Centro e na região sul. Por isso, há necessidade de entender como está a situação no restante da cidade”.

Foto: Gil Velloso

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui